Os funcionários da Volvo devem receber a maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da categoria no Brasil. Ontem, a empresa e o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) negociaram a proposta de PLR de 1,7 salário nominal, com valor mínimo de R$ 15 mil para o cumprimento de 100% das metas. O benefício será pago em duas parcelas, sendo a primeira no valor de R$ 7 mil no próximo dia 13. A segunda, cujo valor está atrelado ao cumprimento das metas, será paga em fevereiro de 2012.

A proposta será apresentada aos trabalhadores dos três turnos da empresa na manhã de hoje para votação. Se o valor for aprovado, os funcionários em greve desde a última segunda-feira retornam as atividades – 372 unidades, entre caminhões e ônibus, deixaram de ser produzidas nesse período. De acordo com o SMC, este é o maior acordo de PLR no Brasil no setor privado, com base nos dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Os dias de paralisação serão incluídos no banco de horas para posterior reposição. A fábrica da companhia, que fica na Cidade Industrial de Curitiba, tem 3,2 mil funcionários e produz cem veículos por dia.

O valor oferecido pela Volvo supera o acordado, na última segunda-feira, entre metalúrgicos e direção da Renault/Nissan. Os funcionários da fábrica, que fica em São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba), aceitaram a proposta feita pela empresa para o pagamento de R$ 12 mil de PLR, em duas parcelas. A montadora emprega cerca de 6 mil pessoas e produz 750 veículos por dia.

Impasse na Volks

Na fábrica da Volkswagem, em São José dos Pinhais, o impasse continua. Apesar de o presidente da montadora no Brasil, Thomas Schmall, afirmar que a empresa está disposta a negociar, as partes ainda não chegaram a um acordo a última reunião foi ontem à noite.

Segundo o SMC, a empresa ofereceu uma proposta com antecipação de R$ 4,6 mil, muito inferior aos acordos obtidos pelos metalúrgicos de outras montadoras. Uma assembleia na manhã de hoje vai avaliar a proposta e decidir se os trabalhadores entram em greve ou não. Eles querem PLR de R$ 12 mil, com primeira parcela de R$ 6 mil, a ser paga neste mês. Na empresa, que tem fábrica em São José dos Pinhais, 3,6 mil funcionários produzem mais de 800 veículos diariamente.

Fonte da notícia: Jornal Gazeta do Povo, 05.05.2011