Para criar alternativas de geração de renda para os trabalhadores resgatados, em 2015 o projeto Ação Integrada começou a atuar na região. O programa constrói soluções de meios de vida fundamentados no protagonismo da comunidade, como associativismo, cooperativismo, empreendedorismo e agricultura familiar.

Criada em 2009, a iniciativa desenvolvida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT/MT), pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-MT) e pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com o apoio técnico e institucional da OIT, já atendeu mais de 700 trabalhadores.

Outros 50 trabalhadores do distrito de Cangas também participaram da primeira etapa de formação realizada pela OIT sobre processamento de frutas e verduras.

A demanda pelo treinamento veio da Central de Associações da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Município de Poconé (CAAFESP), criada para gerir um centro de processamento de frutas e verduras local, inaugurado em janeiro pelo governo federal. O centro de processamento ainda não é utilizado por falta de conhecimento técnico dos trabalhadores, e a formação da OIT deve capacitá-los, além de contribuir para o desenvolvimento dos municípios da região ao sul do Mato Grosso.

“O fato é que, ao se criar uma organização social com a participação de associações para beneficiar e agregar valor às frutas e verduras, há um aumento da geração de renda pelos moradores”, explicou o oficial de projeto da OIT, Antonio Carlos Mello, que esteve presente nos eventos de Cangas e de Nossa Senhora do Chumbo.

Fonte: O Hoje.com – 10 de outubro de 2016.
 
http://www.ohoje.com.br/noticia/cidades/n/124722/t/vitimas-de-trabalho-escravo-recebem-amparo-da-oit