O governo do Uruguai suspendeu um frigorífico da cidade de Rosário nesta sexta-feira, depois que a China vetou compras procedentes dessa empresa por ter recebido dela cortes de carne com gordura não autorizada, segundo o ministro da Pecuária, Agricultura e Pesca do país sul-americano, Fernando Mattos. Em entrevista coletiva, o ministro afirmou que a administração aduaneira chinesa o havia informado da não conformidade do produto de origem uruguaia. Isso porque houve uma discrepância com a descrição do embarque, razão pela qual foi decidido deixar de emitir o certificado sanitário internacional para a empresa.

Mattos também destacou que, além do veto ao frigorífico, a autorização do funcionário do Ministério que havia emitido o certificado sanitário também foi suspensa.

“O que está especificamente envolvido é uma inspeção pelo serviço sanitário chinês de mercadorias uruguaias originárias do estabelecimento Rondatel, no departamento de Colônia, na qual foi encontrada a presença de um produto descrito como gordura corporal bovina não conforme”, explicou o ministro.

Ele também afirmou que já foi iniciado um processo de investigação, que deverá levar alguns meses para detectar a origem do ocorrido e, assim, “cumprir rigorosamente” o protocolo assinado pelas duas nações.

“Consideramos que se trata de um episódio isolado. Esperamos que este seja o caso, temos que corroborá-lo no processo de investigação, mas esta foi uma descoberta de um volume muito baixo de produto. Não deveria ter acontecido, mas se o considerarmos no grande volume que temos exportado para a China, entendemos que este foi um caso isolado cujas origens e causas teremos que descobrir”, disse.

Em abril, a China já havia suspendido compras de outro frigorífico uruguaio – desta vez por não conformidade com a rotulagem – e, três meses depois, o governo do país sul-americano reabilitou a empresa para que ela pudesse voltar a exportar para o gigante asiático.

Por outro lado, o ministro lamentou que a empresa de Rosário tivesse que fechar suas portas até a nova liberação do governo, já que mais de 90% de sua produção é destinada à China, e isso significa que cerca de 300 trabalhadores locais ficarão temporariamente desempregados.
“Neste ano vamos exportar cerca de 300 mil toneladas, exportaremos cerca de US$ 1,5 bilhão, será um número recorde. Esse episódio, que consideramos isolado, não significa que haja uma quebra de confiança entre o Ministério da Pecuária e seus serviços e a autoridade sanitária chinesa. Reforçamos nosso compromisso”, reiterou Mattos.

Fonte: UOL/Notícias, 02 de outubro de 2021.

https://www.bol.uol.com.br/noticias/2021/10/02/uruguai-suspende-frigorifico-por-enviar-carne-nao-permitida-para-a-china.htm