Em assembleia a ser realizada no dia 21 (quinta), categoria decidirá por greve ou reajuste abaixo da inflação. Movimento conta com o apoio de entidades nacional e internacional.
 
15/01/16
Com mais uma negociação sem avanços, os 4,5 mil trabalhadores da BRF de Lucas do Rio Verde (MT) decidirão por greve ou proposta patronal em assembleia a ser realizada no próximo dia 21. Nessa quinta, a empresa apresentou como novidade apenas o pagamento de uma só vez de um abono no valor R$ 225,00, que na proposta anterior era pago em 9 parcelas, mantendo o reajuste de 5% de reposição salarial, aumento de R$ 20,00 no vale-alimentação e mais R$ 25,00 de bônus no vale-alimentação entre janeiro e outubro de 2016. Os representantes da categoria profissional classificam como “péssima” e “muito ruim” a proposta da empresa e afirmam que a decisão de greve é dos trabalhadores.
 
Como forma de pressionar a multinacional, a regional latino-americana da União Internacional dos Trabalhadores da Alimentação (UITA) protocolou nessa quinta feira, (14/01), ofício à BRF de Lucas do Rio Verde (MT) reforçando o pedido de aplicação integral da inflação nas negociações coletivas daquela região. Em dezembro, a UITA internacional também havia oficiado a empresa repudiando as dificuldades nas negociações.  No Brasil, o movimento conta com a participação e coordenação da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins).
 
Segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas de Carnes e Derivados da Alimentação e Afins de Lucas do Rio Verde (Sintralve), a categoria reivindica, entre outros pontos, a reposição imediata da inflação e o aumento real do salário (cerca de 13% o total). Os trabalhadores da BRF (empresa que emprega mais de 96 mil funcionários em 35 unidades industriais no Brasil, além de nove fábricas no exterior) também denunciam más condições de trabalho e o descumprimento da Norma Regulamentadora nº 36 do Ministério do Trabalho e Emprego, que trata de novas regras de saúde e segurança em frigoríficos (em vigor desde 2013).
 
Fonte: CNTA/Afins, 15 de janeiro de 2016.

http://www.cntaafins.org.br/trabalhadores-de-mt-nao-avancam-nas-negociacoes-com-a-brf