Relatório
Em seu parecer, o deputado Sergio Zveiter ressaltou que “não é fantasiosa a acusação”. Segundo ele, “é preciso que se faça a investigação. São várias as pessoas envolvidas, e a verdade precisa ser esclarecida. É necessária a investigação dos fatos. Estão demonstrados na denúncia sólidos indícios da prática delituosa.”

Para Sergio Zveiter, é importante que o presidente se defenda das denúncias, independentemente de ser ou não culpado delas. “Há indícios graves, e não é fantasiosa a denúncia”, reforçou, respondendo à defesa, que por escrito havia dito que se tratava de uma “peça de ficção”.

O relator destacou que seu voto favorável não foi porque há provas concretas contra o presidente. Ele destacou que, neste momento, bastam os indícios.

“Mas devemos decidir se há indícios suficientes para abrir o processo. As provas concretas são necessárias apenas no julgamento. Nesse momento, é necessário que a Câmara autorize, porque há a descrição dos fatos, o que torna inviável sua não autorização”, disse Zveiter.

Um níquel sequer
O advogado de Temer, Antonio Mariz de Oliveira, discordou da parte em que tanto a denúncia da Procuradoria-Geral da República quanto o relatório de Zveiter falam que o presidente “recebeu” valores de propina. “Lanço um desafio, de que se diga quando e onde o presidente recebeu um níquel sequer”, disse. “A acusação é injuriosa e não tem cabimento”, disse.

Para Mariz de Oliveira, o Ministério Público Federal está extrapolando sua atuação, tanto ao perseguir seu cliente com uma “atuação exacerbada”, quanto nos termos das delações, que para ele foram muito favoráveis, em particular, dos donos da J&F, Joesley e Wesley Batista, que deram origem à denúncia contra Temer. “Eles tiveram como prêmio a impunidade absoluta, e tiveram direito até de ganhar dinheiro com o câmbio na bolsa”, disse.

Quanto à gravação da conversa entre Temer e um dos delatores, Mariz voltou a dizer que ela não está de acordo com a legislação, mas que, ainda assim, ela não tem nenhum elemento de prova. Mariz minimizou o fato de Temer ter se encontrado com Joesley Batista à noite e na casa oficial da Presidência, sem registros públicos e citou outros casos semelhantes. “Como o procurador-geral também já se encontrou com o presidente fora da agenda, e muitos parlamentares desta Casa também”, disse.

Fonte: Agência Câmara de Notícias. Íntegra da Proposta: SIP-1/2017

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/politica/537749-relator-recomenda-abertura-de-processo-contra-michel-temer-discussao-sera-retomada-na-quarta-feira.html