“Não aceitamos essa reforma porque ela é extremamente nociva a toda a classe trabalhadora e a nossa saída é a mobilização. A CTB abraça a causa dos rurais e declara total apoio à proposta da CONTAG de derrubar a PEC 287. Dizemos não ao aumento da idade mínima e a obrigatoriedade de contribuição aos trabalhadores do campo que já sofrem com fatores como a informalidade e a ausência de políticas públicas que atendam as suas necessidades”, declarou o dirigente da CTB, Carlos Rogério Nunes.

Além do aumento da idade para homens e mulheres do campo, que geralmente começam a trabalhar muito cedo –  70,2% da população rural ocupada feminina e 78,2% da masculina começaram a trabalhar antes dos 14 anos de idade – a proposta determina que trabalhadores rurais também tenham que contribuir com o INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social).

A Proposta de reforma encaminhada ao congresso por Temer é extremamente nociva para o conjunto dos trabalhadores. Se olharmos para os rurais ela é uma proposta que veio fazer com quem ninguém mais consiga se aposentar. Hoje uma mulher da roça se aposenta com 55 anos e um homem com 60. O que o governo propõe é igualar todos a uma só idade – 65 anos. Imagina o trabalhador rural ter que trabalhar mais de 50 anos para poder se aposentar? Por outro lado, o governo vem também com essa conversa de que trabalhador rural não contribui. Ele contribui toda vez que comercializa o que produz. Essa contribuição individual vai também excluir, com toda certeza, a grande maioria dos trabalhadores que não terão como contribuir, porque a maioria não tem renda mensal – depende da sua safra, colheita. “Então são propostas que vêm realmente com o objetivo de acabar com a previdência rural”, acrescentou Secretário de Política Agrícola da CTB, Sérgio Miranda. “Não há proposta de Reforma da Previdência. O que o governo golpista fez foi negociar a Previdência” disse o presidente da CUT ao se referir à PEC 287.

Fonte: Mundo Sindical, 02 de fevereiro de 2017.
 
http://www.mundosindical.com.br/Noticias/28136,Pelo-direito-a-aposentadoria-rural-centrais-se-unem-a-CONTAG-contra-Reforma-da-Previdencia