Embarques de carne bovina para o país asiático estão suspensos temporariamente por conta de caso atípico de vaca louca registrado em MT.

Exportação de carne bovina brasileira para a China está suspensa

A Minerva informou nesta terça-feira (11) que dará férias coletivas a 635 funcionários de sua fábrica de Barretos, de 17 a 30 de junho, para realizar trabalhos de manutenção.

A empresa disse que o motivo das férias coletivas é a realização de manutenção preventiva nas instalações da unidade de Barretos, aproveitando também o período de suspensão temporária das exportações de carne bovina brasileira para a China, aplicada pelo governo brasileiro na semana passada.
A fábrica de Barretos tem capacidade para abater 840 cabeças de gado por dia e é a única da Mineva no Brasil certificada para exportar carne bovina para a China.

Porém, o frigorífico disse que pode continuar exportando carne bovina para a Ásia a partir de outros países da América do Sul. Sua subsidiária Athena Foods tem quatro fábricas, no Uruguai e na Argentina, que não foram afetadas pela proibição temporária do Brasil.

A suspensão autoimposta foi anunciada pelo Ministério da Agricultura após o relato de um caso da doença da vaca louca atípica no estado de Mato Grosso.

A doença foi detectada em uma vaca de 17 anos, já abatida. Todo o material “de risco específico para a doença”, segundo o ministério, foi removido durante o abate e incinerado.

Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) prevê que as exportações sejam retomadas no fim deste mês e que os embarques represados podem ser compensados em julho, com possibilidade atingir números recordes.

A Minerva disse que espera que a proibição seja de curta duração, já que a Organização Mundial de Saúde Animal excluiu casos atípicos de doença da vaca louca de sua avaliação do status sanitário de um país em 2015.

Por volta das 12h50, as ações da Minerva caíam 1,1%, enquanto o Ibovespa tinha valorização de 0,7%.

Mercado importante
A suspensão das exportações ocorre em um momento em que o Brasil tenta ampliar os embarques de carnes para a China, diante do surto de peste suína que vem reduzindo a oferta de proteína animal no país.

No começo de maio, uma comitiva brasileira, chefiada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, visitou uma série de países asiáticos. Um dos principais objetivos da visita era a liberação de frigoríficos brasileiros para exportar para a China.
Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a China é principal mercado para carne do Brasil em faturamento e o segundo em volume (atrás somente de Hong Kong).

Em 2018, os embarques de carne bovina para a China somaram 322,4 mil toneladas e US$ 1,49 bilhão. Os números representam alta de 52,54% e 60,04%, respectivamente, em relação a 2017.

Nos primeiros quatro meses deste ano, as vendas para o mercado chinês representaram 17,8% do volume total de carne bovina embarcado, com 95,7 mil toneladas e um faturamento de US$ 442,4 milhões, de acordo com a associação.

Fonte: G1/Agro, 11 de junho de 2019.

https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2019/06/11/minerva-anuncia-ferias-coletivas-a-700-funcionarios-apos-supensao-de-exportacoes-a-china.ghtml