Dados são do Deral/Seab relativos às sete plantas de abate da região.

Por: Rodrigo Accorsi

Vista geral da unidade frigorífica da BRF em Dois Vizinhos, uma das maiores agroindústrias de abate e transformação da carne de frango da América Latina.

Nas sete plantas frigoríficas da região Sudoeste é abatido 1,3 milhões de aves diariamente, somente nos dias úteis, ou seja, de segunda a sexta-feira. Os dados foram revelados pela equipe do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab), de Francisco Beltrão-Dois Vizinhos. Os abates são realizados nas plantas de frigoríficos da BRF (Francisco Beltrão e Dois Vizinhos), Dip Frangos (Capanema), Asa (Ampere), Vibra (Pato Branco e Itapejara D’Oeste) e Coasul (São João).

O maior abatedor da região é a BRF de Dois Vizinhos (um dos maiores da América Latina), com cerca de 600 mil a 650 mil cabeças/dia. Hoje, de acordo com Antoninho Fontanella, chefe do Deral/Seab da região de Francisco Beltrão, o setor avícola (corte e produção de ovos) é responsável por mais de 45% do Valor Bruto de Produção Agropecuária (VBPA), da região Sudoeste. Ainda segundo dados do Deral/Seab, na região são 2.200 produtores, com pelo menos 2.500 aviários em todas as sete empresas integradoras.

Redução em 2019
No ano de 2019, em função de alguns problemas em aviários da região, o número de abates foi reduzido e Antoninho conta que foi um período difícil para a avicultura regional, mas que 2020, fechamos com números dentro da normalidade e que, agora, em 2021, há perspectivas de crescimento. “Tivemos problemas sérios de alojamento na região por causa da salmonela e alguns aviários ficaram até sete meses sem alojar aves.” Com isso, o abate total fechou em 332 milhões de cabeças em 2019. Em 2020, de acordo com Antoninho, o fechamento do número total de abates foi de 338.591.750 cabeças na região com o Serviço de Inspeção Federal (SIF).

Boa parte dos frangos abatidos na região é exportada para os países da Ásia e Oriente Médio.

Aumento nos investimentos
Fontanella conta que foram feitos investimentos consideráveis em algumas plantas de abatedouros na região e que, consequentemente, o número de abates/dia deve aumentar. “Algumas dessas empresas estão ampliando seu número de produtores, que também contam com um maior número de aviários e aviários mais modernos. Somente em Capanema, pelo que temos observado, serão mais 20 aviários.” No último mês de maio, o presidente da BRF, Lorival Luz, anunciou investimentos de R$ 292 milhões da empresa no Paraná. Parte desse valor deve abranger também as unidades da BRF em Francisco Beltrão e Dois Vizinhos.

A BRF está modernizando a unidade frigorífica de Francisco Beltrão para retomar os abates de perus a partir do fim do segundo semestre de 2022. Em novembro de 2021 recomeçam os alojamentos de peruzinhos nos aviários de integrados da BRF. Os contatos com os produtores rurais, para a construção de aviários ou readequação e modernização já vêm sendo feitos pelos representantes da companhia de alimentos.

A intenção é que 170 a 200 aviários passem a produzir perus na região. Na fábrica, há previsão de contratação de 400 funcionários para os diversos setores.

Cadeia avícola é ampla
A cadeia avícola é formada pelas integradoras – abatedouros e fábricas de rações –, empresas de transportes de cargas – frigorificadas, rações, pintainhos e frangos para abate –, postos de combustíveis, oficinas, recapadoras/borracharias, autoelétricas e lojas de acessórios. No Sudoeste, também existem, hoje, seis incubatórios de pintainhos. Em 2020, segundo Fontanella, foram produzidos 526.845.000 de pintainhos. “São quase 200 milhões a mais se compararmos com o número de animais de foram abatidos durante o ano passado”, completa.

Fonte: Jornal de Beltrão, 17 de agosto de 2021.

https://www.jornaldebeltrao.com.br/noticia/314031/abate-de-frango-chega-a-1-3-milhao-de-unidades-dia-no-sudoeste-do-parana