Caso negociações salariais com as avícolas em Arapongas não contemplarem reivindicações dos trabalhadores sindicatos prometem iniciar paralisações nessas empresas.

Rui Amaro Gil Marques

Da Assessoria de Comunicação da FTIA PR e sindicatos

Os sindicatos de trabalhadores do setor de Alimentação, a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do Paraná (FTIA) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) prometem iniciar hoje, a partir da cidade de Arapongas, uma onda de manifestações nos frigoríficos avícolas em todo o estado.

Segundo o presidente da FTIA, Ernane Garcia Ferreira, “os sindicatos estão há vários meses tentando fazer uma negociação salarial de alto nível com as empresas do setor avícola, mas até o momento infelizmente os empresários estão fazendo pouco caso de nossas reivindicações. Essa reunião em Arapongas será o divisor de águas. Já apresentamos as reivindicações dos trabalhadores agora depende exclusivamente dos empresários caso contrário iremos para os frigoríficos e aí tudo pode acontecer”.

As entidades sindicais já estão prontas para iniciarem as paralisações nos principais frigoríficos de aves do estado conforme informou o presidente da CUT Paraná, Roni Barbosa. “A CUT está colaborando com os trabalhadores dos frigoríficos e seus sindicatos. Esse é o papel da Central e já estamos preparados em todas as regiões do estado para colocarmos os nossos caminhões de som nos portões dessas empresas. Sabemos do descontentamento generalizado dos trabalhadores e greves podem acontecer”, afirma Barbosa.

A reunião com os empresários será no SIMA, no Palácio do Comércio, no centro de Arapongas (50 km de Londrina). Dela participarão todas as empresas do setor avícola e representantes de todos os sindicatos de trabalhadores do setor, bem como da Federação e da CUT.  O seu início está programado para as 14h e não tem hora para terminar.

 

Negociações com a BRF –  Empresa quer acabar com direitos de grávidas e de afastados por doença

A empresa Brasil Foods formada pela Perdigão e Sadia, também atua no setor avícola, mas negocia em separado com os sindicatos do setor.  Também acontece hoje em Ponta Grossa a segunda rodada da negociação salarial 2011/2012 entre representantes da BRF e dos sindicatos de trabalhadores.  A BRF (Sadia) de Ponta Grossa tem pressionado o sindicato local para que aceite cortes em direitos trabalhistas para o fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho para o próximo ano.

De acordo com o presidente da FTIA, Ernane Garcia, a empresa deseja retirar do ACT direitos conquistados pelos trabalhadores, entre eles vários que beneficiam as grávidas e os afastados por doença ou acidente de trabalho.  “A empresa tem feito verdadeiro terrorismo contra o sindicato local inclusive obrigado diretores da entidade a se retirarem da mesa de negociação devido aos questionamentos feitos contra os cortes de direitos impostos para que o ACT seja fechado. Além disso o índice de reajuste salarial que a BRF está oferecendo aos trabalhadores da unidade da Sadia de Ponta Grossa é inferior ao reajuste proposto para as unidades de Toledo, Dois Vizinhos, Paranaguá e Francisco Beltrão. O que demonstra uma atitude de enfrentamento por parte da BRF contra os dirigentes sindicais de Ponta Grossa que representam os seus trabalhadores”, informa Garcia.