O Superior Tribunal de Justiça mudou o entendimento a respeito após, pedidos de conselhos, regional e federal de veterinária

O Superior Tribunal de Justiça mudou o entendimento a respeito da necessidade ou não de que empresas que comercializem animais vivos tenham médico veterinário. A mudança se deve a pleito do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) e do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado e São Paulo (CRMV-SP), que conseguiu reverter o entendimento dos temas 616 e 617 do STJ, que desobrigava empresas que comercializam animais vivos e medicamentos, da contratação de médico veterinário, como responsável técnico.

O entendimento da Primeira Seção do STJ era de que as pessoas jurídicas que atuam nessas áreas não estariam sujeitas ao registro no respectivo Conselho Regional de Medicina Veterinária nem à obrigatoriedade de contratação de profissional habilitado.

Após a tese ter sido rebatida pelo CFMV e o CRMV-SP, o Ministério Público Federal (MPF) acompanhou a posição dos Conselhos, que levou a Primeira Seção do STJ a mudar o entendimento e definir que a contratação de profissionais inscritos como responsáveis técnicos será exigida sempre que houver necessidade de intervenção e tratamento médico de animal submetido à comercialização, com ou sem prescrição e dispensação de medicamento veterinário.

A avaliação do CFMV é de que é necessária a presença do médico veterinário nas atividades de venda de animais vivos, já que a assistência técnica ao animal (atividade privativa, conforme alínea ‘c’, art.5º, da Lei 5517/1968) se dá de modo a assegurar a prevenção, promoção, controle, erradicação, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. A comercialização de animais, segundo o conselho, tem forte relação com a proteção da saúde humana e do meio ambiente, bem como, a prevenção de zoonoses, questões sob responsabilidade do médico veterinário. Ainda de acordo com o CFMV, o profissional também é capaz de assegurar a qualidade da entrega pública e privada dos serviços e produtos envolvendo animais vivos.

Fonte: Avicultura Industrial, 09 de maio de 2018.

https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/empresas-que-comercializam-animais-vivos-podem-ter-de-contratar-medico/20180509-132122-L972