O juízo da 2ª Vara do Trabalho de Bauru havia arbitrado em R$ 6.700 a indenização, porém o acórdão, que teve como relator o desembargador Luiz Antonio Lazarim, determinou a majoração pela gravidade da existência do equipamento instalado e sua repercussão no ambiente de trabalho, inclusive com comentários pejorativos.

 A reclamada, uma empresa conhecida pela sua atuação no ramo de baterias automotivas, defendeu-se, afirmando que não autorizou a instalação de qualquer tipo de câmera dentro de um dos banheiros. Também negou o ilícito patronal e muito menos qualquer abalo moral apto a ensejar os danos morais.

 Uma testemunha do reclamante, porém, disse que estava no grupo que encontrou a câmera no banheiro e a retirou de lá. Segundo essa testemunha afirmou, a microcâmera estava acoplada em fios e o fato foi registrado em boletim de ocorrência. Afirmou também que os funcionários estavam desconfiados, pois havia algum tempo ouviam comentários pejorativos, inclusive de líderes da empresa.

 Uma testemunha da reclamada, responsável por instalação de câmeras na empresa, disse que não trabalhava com aquele tipo de equipamento e que desconhecia como aquele tipo de microcâmera podia gerar imagens. Essa testemunha também afirmou que a empresa estava tendo problemas com os empregados do segundo turno, no setor em que atuava o reclamante.

Ainda conforme prova oral feita nos autos, o banheiro tinha passado por reforma recente, e uma segunda testemunha da empresa afirmou que qualquer pessoa, com a ajuda de uma escada, poderia instalar essa microcâmera no local em que o equipamento foi encontrado.

 O acórdão, no mesmo sentido da decisão de primeira instância, entendeu que esse conjunto de fatores indica que, efetivamente, a reclamada tinha interesse numa maior fiscalização visual do setor. Também afirmou que, sendo incontroverso que a microcâmera estava acoplada à luminária do banheiro, não seria razoável que tal instalação ocorresse sem a ciência da reclamada. Por isso, a Câmara responsabilizou a empresa.

O acórdão concluiu que a existência de microcâmeras instaladas em banheiro da empresa afronta a dignidade da pessoa do trabalhador, posto que invade a sua privacidade, e, portanto, deve o empregador arcar com os ônus do assédio moral, mediante o pagamento de indenização.

 Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região. (Processo 0001150-81.2012.5.15.0089)

 http://portal.trt15.jus.br/noticias/-/asset_publisher/Ny36/content/danos-morais-empresa-que-instalou-camera-no-banheiro-dos-empregados-e-condenada-a-indenizar;jsessionid=2B43EF31569C48C5DE788EFB11A1AC81.lr1?redirect=http%3A%2F%2Fportal.trt15.jus.br%2Fnoticias%3Bjsessionid%3D2B43EF31569C48C5DE788EFB11A1AC81.lr1%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_Ny36%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3D_118_INSTANCE_mLU6__column-1%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3