A denúncia chegou ao órgão em 2015, quando foi instaurado inquérito civil para apurar os fatos. “Pela gravidade, ineditismo e extravagância da conduta, a denúncia me surpreendeu”, afirmou a procuradora. Logo que iniciou a investigação, os representantes de medicamentos enviaram inúmeros e-mails, que comprovavam a prática. “Eles eram submetidos a uma degustação de remédios. Não só da empresa que trabalhavam, mas dos concorrentes também”. E como esses antibióticos somente são vendidos com receita médica, para obter os similares dos outros laboratórios, os representantes são obrigados a adquiri-los de maneira irregular.

Entenda o caso
A ideia é fazer com que os representantes conheçam as características dos remédios da empresa e da concorrência para que possam convencer melhor os médicos sobre as vantagens dos produtos por eles vendidos. Numa só reunião de degustação, os trabalhadores tomam várias doses de um medicamento de diversos laboratórios.

No momento da degustação, os trabalhadores são obrigados a tomar doses além das que habitualmente são prescritas por um médico. Na prova, eles tomam uma dose de cada um dos produtos que estão sendo comparados. A preocupação do MPT-PI se deve ao fato de que, acima da dose prescrita, esses remédios podem provocar intoxicação. Além disso, podem causar uma série de efeitos colaterais. No caso específico dos produtos degustados, os mais frequentes são: desconforto gástrico, diarreia, náusea, coceira e cefaleia. Podem ocorrer ainda reações alérgicas, como: inchaço nas extremidades e taquicardia. Em situações menos frequentes, o paciente pode apresentar: hipercinesia (movimentos involuntários exacerbados), vertigem e convulsões.

Especialistas alertam que, ingeridos de forma aleatória, antibióticos podem ocasionar resistência no organismo, o que seria um risco não apenas para o trabalhador, mas também para a coletividade. “Estudos mostram que a resistência microbiana tende a aumentar com o uso indiscriminado de antibióticos; portanto, este é também um caso grave de risco à saúde pública”, alertou Maria Elena.

Dano moral coletivo
A multa de R$ 10 milhões foi requerida pelo MPT-PI em razão da gravidade dos danos infligidos à coletividade e do grau de culpa do empregador, que tem consciência do elevado risco a que está submetendo os seus trabalhadores. Vale ressaltar que o valor não representa nenhum risco ao funcionamento da empresa, que obteve, em 2015, o lucro líquido de R$ 191 milhões de reais.

Fonte: Procuradoria Regional do Trabalho da 22ª Região, PI, 01 de junho de 2016.

http://portal.mpt.mp.br/wps/portal/portal_mpt/mpt/sala-imprensa/mpt-noticias/74f932cb-9da0-45b8-b9cd-fdc29bf34f70/!ut/p/z1/rVLLTsMwEPyV9pBj4s2rSbilFYrSEFpUQRtfkJ2noXHc1LTA1-MCFyT6QGJvu5oZ7cwuwmiFMCc7VhPJOk7Wqs_w6NGMwInHM0iiZO5BeGem13FkWhPw0PITcHvnxNF4AYk_mirAyA_jJJhDPDMRPs1_QBjhnEshG5S1QmqwJWsyKMoBa0Vf8i3RQI0HvJMsZ2SrgedUgW3lVA8KArrjUl-nQV7oVZFbAa1sp_LgICpyVqDsIvTynMuDCThS4YGPT_lMHPcbcEJjinC97uhX5iGntl8j3JdV2Ze98dKrcSOluNJAg_1-b6hMjLrbGbTX4DdG020lWv1Eokz59I4dy_FctPhjcNNz51WbWX06SdVmgshGZ7zq0OoibUVlT5sNDtV_dFyWr8rP_z2IaO9b337Tn6tUutQVu_ebchkOhx90QpSc/dz/d5/L2dBISEvZ0FBIS9nQSEh/