Governantes desvirtuam o conservadorismo rumo à censura e à ignorância

A semana recém-encerrada se mostrou tristemente pródiga em episódios nos quais governantes se valeram do poder do Estado para impor preconceito e intolerância, à custa da liberdade de expressão e da difusão do conhecimento.
A investida do prefeito do Rio contra um gibi foi apenas o caso mais grotesco — e, até por isso, menos danoso. Na quinta-feira (5), Marcelo Crivella (PRB) meteu-se a anunciar o recolhimento de uma publicação em quadrinhos, exposta na Bienal do Livro, devido a uma imagem de dois rapazes se beijando. Vestidos, ressalte-se.
Apresentada como medida destinada a proteger a família e os menores de idade, a tentativa canhestra de censura deu em nada.
A organização da Bienal não atendeu à notificação extrajudicial em que o alcaide pedia que os exemplares da obra fossem lacrados. No dia seguinte, uma liminar judicial impediu a prefeitura de apreender livros no evento. Crivella, afinal, ainda se prestara ao ridículo de enviar fiscais ao local em busca de algum artigo inapropriado.
Desfecho bem menos feliz ocorreu em Porto Alegre, na quarta (4). Uma exposição de charges e cartuns políticos foi retirada da Câmara de Vereadores a mando da presidente da Casa, Mônica Leal (PP), com argumentos que misturam despotismo e bajulação.
A parlamentar disse ser inconcebível uma mostra “que ofenda o presidente da nação” —Jair Bolsonaro (PSL) era, naturalmente, o alvo de grande parte das obras.
O primeiro mandatário não deixaria claro, de comparecer ao festival de obscurantismo da semana. Na terça (3), relatou ter encomendado ao Ministério da Educação um projeto de lei destinado a proibir a abordagem de questões de gênero no ensino fundamental.
Talvez sirva de consolo o fato de Bolsonaro ter ao menos previsto o devido debate da estultice no Congresso — onde provavelmente o tema será esquecido. O mesmo não se aplica, porém, ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB).
Naquele mesmo dia, o tucano mandou recolher, com estardalhaço, apostila usada por alunos do 8º ano da rede estadual que conteria propaganda da fantasmagórica “ideologia de gênero”.
O material em questão nada mais oferecia que uma descrição sucinta das diferenças entre sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual, além de uma proposta de discussão sobre diversidade.
Parece razoável interpretar o chilique de Doria como um aceno ao eleitorado mais à direita, cujo apoio disputará com Bolsonaro para levar adiante sua ambição de trocar o Bandeirantes pelo Planalto.
A ser assim, a aposta nesse conservadorismo desvirtuado e convertido em apologia da ignorância implicará graves riscos às políticas públicas nos próximos anos.

Fonte: Folha de São Paulo, 09 de setembro de 2019.

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2019/09/marcha-as-trevas.shtml