Espaço de trabalho deve oferecer conforto para o desenvolvimento das atividades laborais

As Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) são as doenças que mais afetam os trabalhadores brasileiros, segundo o estudo Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde. O levantamento, que usou dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), mostra que o total registro das doenças cresceu 184% no período de 2007 a 2016, passando de 3.212 para 9.122 casos.
O estudo mostrou ainda que mulheres, entre 40 e 49 anos e que trabalham no Sudeste, são as mais atingidas. Além disso, revelou que os profissionais que atuam nos setores da indústria, comércio, alimentação, transportes e serviços lideram os casos. Para prevenir a LER e o DORT, é necessário atender a Norma Regulamentadora 17, que determina as condições de trabalho necessárias para proporcionar o máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente dos trabalhadores.
Na nova sede do Grupo Gadens – companhia que, além do mercado imobiliário, atua nas áreas da indústria de alimentos, silvicultura, agropecuária, comércio internacional e no setor de shopping center -, no 17º andar de um prédio no Centro de Curitiba, a ergonomia foi um dos pontos centrais do projeto arquitetônico e de interiores.
“Tivemos o cuidado de escolher a melhor cadeira, os tamanhos ideais de mesa, de pensar numa copa aconchegante para se sentir em casa, tornando o local de trabalho uma experiência diária agradável. As soluções de ergonomia foram fundamentais, já que o princípio foi o de promover qualidade de vida, saúde e segurança aos colaboradores. Por isso, buscamos fornecedores com certificado de ergonomia”, conta a arquiteta da Gadens Incorporadora, Kelly Dominoni.
O conceito open plan (espaço aberto), com integração de equipes distintas num mesmo espaço, evitando a compartimentação excessiva que seria gerada pelo uso de divisórias tradicionais, também foi item central na concepção do projeto. “Isso provocou uma profunda alteração no modo de trabalhar, pois viemos de uma sede antiga, com espaços muito compartimentados e segregados, com menor chance de troca entre as equipes. Com essa integração, podemos sentir a melhora na comunicação e satisfação dos funcionários”, relata Kelly.
O conforto termo-acústico também recebeu atenção especial no projeto. “Buscamos aproveitar a iluminação natural ao máximo, por isso toda a área do escritório se desenvolve ao longo das janelas. No piso, a escolha foi pelo carpete, material de alta absorção acústica, para melhorar o conforto dos usuários”, relaciona Kelly.
A arquiteta da Gadens Incorporadora destaca que é essencial considerar itens como quantidade de funcionários existentes, capacidade de ampliação da equipe, fluxo entre os departamentos, funcionamento de cada setor, suas particularidades e necessidades, assim como os ambientes necessários, para a elaboração de um projeto arquitetônico e de interiores comercial.
“Somente com o entendimento da dinâmica da empresa é possível projetar espaços de qualidade, que contribuam para a produtividade e bem-estar dos funcionários. Os elementos estéticos entram em cena na sequência, com a função de traduzir os valores e o posicionamento da empresa, além de garantir um ambiente de trabalho agradável aos colaboradores”, opina Kelly.

Fonte: Bem Paraná, 10 de junho de 2019.

https://www.bemparana.com.br/noticia/doencas-por-ler-e-dort-crescem-184-em-nove-anos#.XP-SHBZKjcc