Médico do trabalho e presidente da Federação da Alimentação no Paraná – FTIA, debatem condições de trabalho e saúde dos trabalhadores em frigoríficos no, Quarta Sindical.

Nesta quarta-feira, 15, Dr. Roberto Ruiz, que é médico do trabalho e o presidente da FTIA, Ernane Garcia Ferreira, foram entrevistados pelo presidente da CUT Márcio Kieller e a jornalista do Jornal Brasil de Fato – PR, Ana Caldas, sobre as condições do trabalho nos frigoríficos neste período de pandemia.

O Dr. Ruiz alerta que o COVID-19 encontra nos frigoríficos um local propício para sua disseminação por duas principais características: uma é que a infectividade do vírus é muito alta e a outra é a própria organização do local de trabalho, devido à quantidade de pessoas a e umidade do local. Para ele o controle em um ambiente como o frigorífico é muito difícil, pois “um vírus de alta transmissividade, quem conhece como é dentro de um frigorífico, sabe que é imenso e dois a três mil pessoas trabalham aglomeradas geralmente”. Dr. Ruiz ainda ressalta que uma das formas de conter o vírus é o isolamento social que não é possível com o pessoal da saúde, por exemplo, e também o distanciamento social e que não é possível fazer isso com dentro de um frigorífico devido as características do trabalho dentro do frigorífico. “Até hoje se você entrar em um frigorífico, você verá 2 a 3 mil pessoas trabalhando ombro a ombro. A realidade é essa, não a que está no papel”, completa.

Ernane também fala sobre a disseminação do vírus nos frigoríficos, para ele, o risco é grande, pois esses trabalhadores ficam em turno com mais 300/400 pessoas e dependem de transporte para chegar a seus locais de trabalho. Para ele, o trabalhador de frigorífico tem uma tendência assintomática maior que os outros, pois as condições insalubres o levam a sempre tomar medicamento contra resfriados e gripes, aumentando o risco de transmissão devido ao tempo para perceber os sintomas. Ernane ainda enfatiza que não era a hora de o governador ceder a pressão dos empresários para permitir o afrouxamento do isolamento social, para ele “o Estado está indo na contramão de todas as indicações médicas e dos técnicos da área da saúde e agora não seria hora, de jeito nenhum de deixar aberto como o governo fez de afrouxar deixando de editar o decreto que fazia o Estado manter o isolamento social”.

Para o presidente da CUT-PR, Márcio Kieller, o programa vem construindo uma trajetória importante ao tratar de temas que atinge o conjunto da classe trabalhadora, e para ele era necessária e, urgente um programa que tratasse dos trabalhadores em frigoríficos. “Considero importantíssimo o, Quarta Sindical de hoje, por que a situação dos frigoríficos esta entre as piores situações das categorias de trabalhadoras e trabalhadores. Por isso é necessário que estejamos em constante vigilância. A contribuição para o debate do Dr. Roberto Ruiz, médico do trabalho e do presidente da Federação da Alimentação foram fundamentais para esclarecer à gravidade da situação pela qual passam as trabalhadoras e trabalhadores em Frigoríficos. É um programa que deve ser visto e compartilhado por todos! Procuramos fazer do Quarta Sindical, um programa atento ao mundo do trabalho e as mazelas que a classe trabalhadora enfrenta”.

Todas essas informações são possível ver no programa que foi ao ar. Acesse o link e veja o programa na íntegra.

O Quarta Sindical vai ao ar todas as quartas-feiras, às 11h30, nos perfis da CUT Paraná e do Brasil de Fato Paraná no Facebook. A mediação é de Marcio Kieller e Ana Caldas.

Fonte: Central Única dos Trabalhadores do Paraná, 15 de julho de 2020.

https://pr.cut.org.br/noticias/covid-19-e-as-condicoes-dos-trabalhadores-de-frigorificos-no-quarta-sindical-b244