Para a coordenadora do Programa Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem da Justiça do Trabalho, ministra Kátia Magalhães Arruda, “essa luta não é apenas pelas crianças, é uma luta que repercute em um Brasil melhor para todos nós, porque só é possível falar em país desenvolvido, se ele não precisar conviver com chagas históricas como trabalho forçado, trabalho escravo e o trabalho infantil”.
 
Fonte: Tribunal Regional do Trabalho do Paraná, 9ª Região, 10 de junho de 2016.

http://www.trt9.jus.br/internet_base/noticia_crudman.do?evento=Editar&chPlc=5815149