O Brasil comprou 1,3 milhões de toneladas de milho e nos três primeiros dias de setembro recebeu 65,7 mil toneladas contra 147 mil toneladas em setembro de 2020

Enquanto o Brasil cumpre os últimos embarques de milho contraídos antes e em ritmo e volume menores que no ano anterior, as importações do grão em relação a 2020, mais do que dobraram neste ano, principalmente da Argentina.

Até agora o Brasil comprou 1,3 milhão de toneladas de milho e nos três primeiros dias de setembro já descarregou 65,7 mil toneladas contra 147 mil toneladas de todo o mesmo mês de 2020, aponta a Secex, a Secretaria de Comércio Exterior do país.

E isso é apenas o começo, segundo empresas que compraram milho argentino e devem ser entregues nas próximas semanas. A escassez de grãos necessários à alimentação de aves, suínos e confinamentos tem obrigado a apelar para o abastecimento dos associados do Mercosul.

Espera-se que isso tenha um impacto consequente no preço do grão, mesmo quando o dólar americano no Brasil experimentou algum fortalecimento. O Brasil é um fornecedor líder global de frango, porco e carne bovina.

Para ajudar na situação e no agronegócio, o governo brasileiro reduziu há alguns meses a tarifa de importação do milho para 8% para países fora do Mercosul, para garantir que o Brasil continue sendo um exportador de primeira classe de proteína animal.

Fonte: Avicultura Industrial, 10 de setembro de 2021.

https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/brasil-importa-volumes-recordes-de-milho-argentino-para-racao-de-aves-e-suinos/20210910-082207-X565