Dia Mundial Contra os Acidentes do Trabalho deve ser alerta para o movimento sindical, movimentos sociais e de saúde do trabalhador para a continuidade da luta por melhorias das condições de trabalho

Mortes, doenças e invalidez continuam avançando sobre os trabalhadores no dia a dia nos locais de trabalho. Segundo a Assessoria de Saúde e Previdência da FETQUIM, nos últimos 10 anos tivemos mais de 25 mil mortes por acidentes do trabalho, mais de 6,2 milhões de acidentes, 1,1 milhão de doenças do trabalho e 110 mil inválidos permanentes. Esses números podem ser multiplicados por dois, pois com o desemprego metade da população economicamente ativa (entre 15 e 59 anos) atualmente está em atividades informais depois da cruel reforma trabalhista dos governos Temer e Bolsonaro, em que não há registros acidentários pela Previdência.

Para Airton Cano, coordenador político da Fetquim, “deve haver a continuidade constante da luta pelas melhorias das condições de trabalho para não termos essa mortandade e doenças contínuas contra os trabalhadores”. Conseguimos deter parte dos acidentes do trabalho e doenças devidas ações dos próprios sindicatos e das CIPAS e garantir a continuidade de cláusulas de saúde nas negociações com a patronal. Deve haver alerta permanente, pois recentemente, entre os químicos do ABC houve uma morte na Megaquímica, onde um trabalhador perdeu a vida quando estava num tanque fazendo manutenção, onde havia solventes, e outro trabalhador sofreu queimaduras graves.

André Henrique Alves, secretário de Saúde da Fetquim, alerta: “O Dia Mundial Contra os Acidentes do Trabalho deve ser um alerta permanente para o movimento sindical, movimentos sociais e de saúde do trabalhador para a continuidade da luta por melhorias das condições de trabalho. O ramo químico está constantemente em luta por melhorias das condições de trabalho contra acidentes, contaminações, doenças e mortes. Uma das causas de acidentes é a flexibilização da legislação trabalhista feita pelos governos Temer e Bolsonaro, e é difícil no momento para os trabalhadores enfrentarem tantas adversidades para levar o pão de cada dia para casa para garantir o sustento de suas famílias. Toda força para a continuidade da luta por melhores condições de trabalho”.

Fonte: Central Única dos Trabalhadores, 27 de abril de 2022.

https://www.cut.org.br/noticias/28-de-abril-basta-de-mortes-doencas-e-invalidez-no-trabalho-84eb