No entanto, os ministros reduziram o valor de R$ 130 mil arbitrado inicialmente.

Por: Guilherme Santos – 17/05/17 – 07h

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reduziu para R$ 15 mil a indenização por dano moral que o abatedouro Y. Watanabe, no Pará, foi condenado a pagar a uma auxiliar de abate, dispensada por justa causa, após, participar de paralisação para cobrar horas extras prestadas no feriado de Corpus Christi. Os ministros entenderam que o valor inicial de R$ 130 mil resultaria em enriquecimento sem motivo da trabalhadora.
A empresa despediu por falta grave, 26 empregados, que paralisaram as atividades em 27/6/2014, por meio período, para cobrar o pagamento do trabalho no dia de Corpus Christi (19/6/2014), com adicional de horas extras de 100%. Segundo a auxiliar, não houve razão para a punição máxima, porque o abatedouro teria combinado a remuneração anteriormente, mas não cumpriu o acordo. Na Justiça, ela pediu o reconhecimento de dispensa imotivada, com o pagamento das respectivas verbas rescisórias, além de indenização por dano moral.
Em sua contestação, a empresa negou ter combinado o pagamento, e defendeu as demissões por acreditar que os empregados agiram com desídia e cometeram atos de indisciplina e insubordinação – faltas graves previstas no artigo 482, alíneas “e” e “h”, da CLT.
O juízo da Vara do Trabalho de Santa Izabel do Pará (PA) indeferiu os pedidos da auxiliar, por entender que o dia de Corpus Christi não é feriado. O juiz considerou grave a conduta dos empregados. No entanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA/AP) determinou o pagamento da indenização por dano moral e também das verbas rescisórias relativas à despedida sem justa causa.
Segundo o TRT, as horas extras com adicional de 100% no dia de Corpus Christi não poderiam ser suprimidas, pois a empresa tinha o hábito de pagá-las, e o benefício passou a integrar o contrato. O Regional considerou desproporcional a dispensa por justa causa, porque a empregada não sofreu anteriormente punições menos severas, como advertência e suspensão. Por fim, o Tribunal arbitrou a indenização em R$ 130 mil, concluindo que as demissões foram antissindicais, discriminatórias e atos de revanche contra quem não aceitou acordo para encerrar a paralisação.
A Y. Watanabe recorreu ao TST, mas o relator, ministro Barros Levenhagen, proveu o recurso apenas no sentido de reduzir a indenização para R$ 15 mil e excluir multa em caso de descumprimento da decisão. Por considerar leve a culpa da empresa nas circunstâncias em que a paralisação ocorreu, o ministro diminuiu o valor da reparação com o objetivo de evitar enriquecimento sem causa.
Por unanimidade, a Quinta Turma acompanhou o voto do relator.  

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho. Processo: RR-1495-90.2014.5.08.0115

http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/auxiliar-de-abatedouro-dispensada-por-justa-causa-apos-paralisacao-por-horas-extras-consegue-indenizacao?inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fwww.tst.jus.br%2Fweb%2Fguest%2Fnoticias%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_89Dk%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-1%26p_p_col_pos%3D2%26p_p_col_count%3D5